Gêneros
Administração
Artes
Biografia/ Memória
Chick Lit
Ciências
Ciências Políticas
Ciências Sociais
Cinema
Contos/ Crônicas
Culinária
Desenvolvimento pessoal
Desenvolvimento profissional
Economia
Educação
Ensaio/ Teoria literária
Entretenimento
Esoterismo
Espiritualidade
Filosofia
Geografia
Guerra
Guia
História
Infantil
Jovem Adulto
Juvenil
Literatura
Negócios
Obras de referência
Pensamento
Poesia
Policial
Política
Psicologia/ Psicanálise
Quadrinhos
Qualidade de vida
Relacionamento
Religião
Reportagem
Romance brasileiro
Romance estrangeiro
Romance histórico
Suspense
Teatro
Thriller
Viagem/ Aventura
Coleções
Autores
Tenha acesso a
conteúdos exclusivos.

leitor
livreiro
professor

Email:
Senha:
Lembrar senha
Poesia Home > Poesia > Todas as mulheres
Todas as mulheres
Autor: Fabrício Carpinejar
EAN: 9788528620429
Gênero: Poesia
Páginas: 112
Formato: 14 x 21 x 0,9 cm
Editora: Bertrand Brasil
Preço: R$ 34,90
     

O retorno de Carpinejar à Poesia, gênero que o lançou como escritor

 

Concebido como um poema de poemas interligados, Todas as Mulheres apresenta um dos mais verticais mergulhos íntimos da contemporânea literatura brasileira e marca também a volta de Fabrício Carpinejar à poesia como quem nunca tivesse partido, sem deixar de ser ao mesmo tempo novo na acepção mais poderosa do termo, o novo quando audácia. Entre tantas manifestações do feminino, Carpinejar redescobre nos amores vividos o primeiro, enquanto busca por aquele que será o último.

Fabrício Carpinejar

Fabrício Carpinejar é poeta, jornalista e mestre ...



O vento da noite (Edição bilíngue)
Emily Brontë
R$ 37,90

Estranherismo
Zack Magiezi
R$ 44,90

Rua da padaria
Bruna Beber
R$ 37,90


Fabrício Carpinejar autografa novo livro na Feira de Porto Alegre
Porto Alegre/RS
09/11/2012
Saiba mais

Escritores debatem humor na literatura
Porto Alegre/RS
07/11/2012
Saiba mais

Fabrício Carpinejar e Celso Gutfreind na Feira de Porto Alegre
Porto Alegre/RS
03/11/2012
Saiba mais

Carpinejar lança novo livro e renova contrato de publicação de onze títulos
Saiba mais